domingo, 25 de abril de 2010

Dança pra chovê, trovão

último show que fui, em 2009, comecei a cantar... mas, chorei e parei.


Mário Gil é paixão antiga, destas que a gente põe debaixo do travesseiro e sonha que é pra vida toda... 

Quando o conheci, ele era o moço da Luz do Cais, tão bonito ele... Feito Boto que enfeitiça , me encantou. E, desde então sigo-o por aí, quando ele aparece. Porque ele não aparece muito não. É arredio, de olhar sereno, de nenhuma conversa de botequim. É Boto, eu digo. Tem uma voz que me emociona, e é comum eu chorar quando canto junto dele (claro que ele não sabe disto, nem eu nunca contarei, é segredo). Não adianta dar um google nele, bem pouco se sabe, bem pouco se viu, aparece ˜vezemquando" e some de novo, quando não está no palco nem sei quem ele é.

Poucos são os que me tocam a alma. Ele me toca. Quando lentamente, acorda a violão, o ar vai se enchendo de sentimentos. Eu choro, de verdade, choro sempre. Tenho vontade de escrever um bilhete e pendurar no céu "estou pronta, meu deus, me leva" . 

Se fosse para partir, queria ir ouvindo Mário Gil. Cálido, quase sacro, simples, sofisticado, erudito, monumental.

Se você encontrar com ele ao acaso, fale de mim. Não muito, pois toda a sua voz está entregue à música. Diga apenas, que sou a Moça, uma moça... que Sinházinha, ainda dança pra chovê, trovão.

Mas que ele é Boto, ah é, eu sei.


A Lenda do Boto 
É tradição junina do povo da Amazônia festejar o nascimento de Santo Antonio, São João e São Pedro. Em estas noites se fazem fogueiras, se atiram foguetes enquanto se desfrutam de comidas típicas e se dançam quadrilhas e outras danças ao som alegre das sanfonas.
As lendas contam que em estas noites, quando as pessoas estão distraídas celebrando, o boto rosado aparece transformado em um bonito e elegante rapaz mas sempre usando um chapéu, porque sua transformação nao é completa, pois suas narinas se encontram no topo de sua cabeça fazendo um buraco.
Como um cavalheiro, ele conquista e encanta a primeira jovem bonita que ele encontra e a leva para o fundo do rio.
Durante estas festividades, quando um homem aparece usando um chapéu, as pessoas pedem para que ele o retire para que não pensem que ele é um boto...

5 comentários:

Primeira Pessoa disse...

sonia,
e tem anabela, né? na voz do renato braz, então, vira um trem do outro mundo.
conheço o mário. rs
e ele não tá com essa belezura toda, não.
mas que é talentoso, ah, isto ele é.

abração
R.

Gabriela Buarque disse...

Querida.. que surpresa ver o nome do Mario Gil aqui. Já conhecia o trabalho dele e nem sabia, até a mix do cd Cidade das Noites.. que, óbvio, me apaixonei! Vou encaminhar este post pra ele. Acho que vai gostar! bjãoo

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Micheliny Verunschk disse...

comadres, então? Por mim, tá valendo!

beijocas!

Rodrigo disse...

É poesia que veste o melhor vestido e vem nos seduzir. #lindodemais!

Belo.