segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Noturna e Imperfeita

Foto arquivo pessoal: de volta à tela


Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo. Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse
Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há tanto tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta
Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

- Hilda Hilst -


2 comentários:

bsp disse...

Letreira, você já visitou a Biblioteca Sâo Paulo? Se ainda não, visite. A programação está incrível e com certeza lá tem um livro que vai apaixoná-la (ou mil!!!)

Rodrigo . disse...

Hilda H. é poesia que devora. Linda de morrer. Beijo.