sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Fada dos dentes arrependida

Ser desonesto esse do qual os conto esse conto.
Ele, ou ela, não tem nem sexo definido,
nem amigo do infinito, nem grito.
Gosta de nos infernizar com um zumbido no ouvido.
O nome usado pelas crianças é FADA.
Pra mim, poderia se chamar de mal-amada.
Certa vez, num momento de escassez,
eis ela que arranca o próprio dente de uma vez.
Arrumou uns trocados em troca
do dente que fez falta.
Burrice! Gritou sua consciencia depois do ato insano,
não menos que profano, um engano.
Um consolo.
Pesado como tijolo.
Feliz esteve outrora,
porém a falta de um dente à deixava triste agora.

(texto e desenho: Felipe Godoy)

Um comentário:

Garfo Sem Dentes disse...

Garfo sem Dentes \o/

é a fada é feia
nem todos são bonitos,
não é mesmo, mas eu acheo o feio bonito... entende?

:)

abraços do
Felipe Godoy (EU)