quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Orlanda

 Foto arquivo pessoal

E nem sabe o tímido quanto bem calcula. À melhor fé! Como o amor se faz é graças a dois.
Segue-se, enfim assim, nomeadamente Orlanda – de a um tempo rimar com rosa, astro e alabastro – aqui. Sua minha alma; seu umbigo de odalisca, sorriso de sou-boneca, a pele toda um cheiro murmurante, olheiras mais gratas azuis. Mesma e minha.
De dom, viera, vinha, veio-me, até mim. Da vida sem idéia nem começo, esmaltes de um mosaico, do mundo – obra anônima? Fique o escrito por não dito. Sós, estampilhamo-nos. Tem-se de a algum general render continência. Ei-la, alisa a tira da sandália, olha-se terna ao espelho, eis-nos. Conclua-se. Somos. Sou – ou transpareço-me?
Guimarães Rosa - Se eu seria personagem

2 comentários:

Willyan Luemi disse...

Guimarães e seu profundo e simples jeito de retratar a vida, de conduzir as palavras(ou seriam pessoas de vida própria disfarçadas?)!

Abraço n'alma!

Anônimo disse...

cialis , cialis achat, acquistare cialis, cialis.